Início

A Viola

Afinações

Agenda

Biblioteca

Blog do Angelim

Cifras

Discografias

Encordoamento

Fogão à Lenha

Fotos

Links Interessantes

Luthieria

Mestres Poetas

Mestres Professores

O Sagrado e o Profano

Porta Aberta

Rio Abaixo

Tablaturas

Videoteca

Violas, Minhas Violas

Violeiros

A saudação franciscana de “Paz e Bem” tem sua origem na descoberta e na vocação do envio dos discípulos, que Francisco de Assis descobriu no Evangelho e colocou na Regra dos Frades Menores - “o modo de ir pelo mundo”.

Lucas (10:5) fala na saudação “A paz esteja nesta casa” e Francisco  de Assis acrescenta que a saudação deve ser dada a todas as pessoas que os frades encontrarem pelo caminho: “O Senhor vos dê a paz”.

No seu Testamento, Francisco de Assis revela que recebeu do Senhor mesmo esta saudação. Portanto, ela faz parte de sua inspiração original de vida: anunciar a paz.

Muito antes de Francisco de Assis, Mestre Rufino (bispo de Assis, na época em que São Francisco nasceu) já escrevera o tratado “De Bono Pacis” - “O Bem da Paz” e que, certamente, deve ter influenciado a mística da paz na região de Assis.

Haviam, então, diferentes formas de saudação da paz, entre elas a de “Paz e Bem”.

 

A paz interior como fundamento da paz exterior

Na Legenda dos três companheiros (58), Francisco de Assis dá para seus frades o significado único para a paz: “A paz que anunciais com a boca, mais deveis tê-la em vossos corações. Ninguém seja por vós provocado à ira ou ao escândalo, mas todos por vossa mansidão sejam levados à paz, a benignidade e à concórdia. Pois é para isso que fomos chamados: para curar os feridos, reanimar os abatidos e trazer de volta os que estão no erro”.

Trata-se da paz do coração que conquistaram. Francisco de Assis exorta seus frades a anunciarem a paz e a testemunhá-la com doçura, porque este é o único caminho de comunicação para atrair todos os homens para a verdadeira paz, a bondade e a concórdia.

A saudação da paz, como primeira palavra que os frades dirigem aos outros, tem o objetivo de abrir os corações à paz, isto é, à força espiritual interior: a paz interior da bem-aventurança e a paz proclamada e dirigida a todos, constituem uma única e mesma realidade.

 

O Bem da paz - o "Sumo Bem"

Deus Sumo Bem é a experiência fundamental de Francisco de Assis, o ponto de partida de sua espiritualidade. Nela se fundamenta a vida franciscana como resposta de amor, configurando o amado ao Amor. Portanto, “Bem” é Deus-Amor, é a caridade.

Deus, o Sumo Bem, chamou a todos a participarem do seu Ser, não no sentido de “soma de todos os bens divinos”, mas Deus, enquanto “bem único”. Por isso, a atitude típica de Francisco de Assis é o êxtase adorante e a decisão de estar sempre a serviço deste Deus; um serviço que nasce da alegria da gratidão. É a atitude que projeta em Deus a completude de si mesmo, que leva a renúncia a tudo, até à posse de Deus. Francisco descobre neste “vazio”, a presença de Deus, unicamente como “dom”.

E é justamente este o sentido da resposta humana, a da conversão ao Bem, ao “Sumo Bem”: aceitar Deus como centro absoluto da própria existência, e inserir-se no seu projeto tornando-se seu colaborador. Desta experiência nasce a "doçura", que enche a vida de Francisco de Assis, a sua necessidade de entregar tudo a Deus (pobreza), de render-lhe graças e louvá-lo sem cessar. Desta experiência nasce também a confiança de tudo arriscar, sabendo que Deus não o deixará desamparado.

 

“Paz e Bem” - A paz se constrói pela caridade

Portanto, a saudação franciscana de “Paz e Bem” é um programa de vida, é uma forma evangélica de viver o espírito das bem-aventuranças. Nestas duas 'pequenas' palavras se esconde um dinamismo e uma provocação: saudar alguém com “Paz e Bem” é o mesmo que dizer: o amor de Deus que trago em meu ser, é a mesma pessoa que reconheço nos outros e no mundo e, por causa d'Ele, devemos viver a caridade - o Bem - entre nós.

Daí que, a paz só se constrói por meio da caridade (o Bem), porque a caridade é “forte como a morte” (ct 8:6); à qual ninguém resiste e, quando vem, mata o mal que fomos para que sejamos outro bem. A caridade gera a paz. A caridade está na paz assim como o espírito da vida está no corpo. A caridade sozinha mantém firmemente unidos na paz os filhos da Igreja; faltando a caridade, esta paz se dissolve. A caridade vivifica os membros de Cristo, os une e os faz estar em harmonia num só corpo. Ela é como um cabo, em cuja parte superior foi aplicado um gancho que liga a divindade à humanidade, o cordão que o senhor colocou na terra e com o qual ergueu o homem para o céu.

 

 

 

Fonte: Desconhecida

 

 

 

Angelim

A presença de Francisco de Assis em minha vida vem do quintal da minha casa. Da poeira santa que subia do terreiro batido onde eu jogava meu pião da vida. Meu querido pai sempre teve devoção e admiração inestimáveis por Francisco de Assis, seu trabalho e seu legado.

Por isso mesmo eu digo que os bons exemplos saem é de dentro de casa. Somos nós que abrimos as porteiras dos caminhos que desejamos aos nossos. Grandes e pequenas ações que moldam e norteiam os passos de quem vem depois. Filhos, irmãos, sobrinhos e amigos. Todos precisamos de pegadas para seguir. Todos precisamos identificar para que lado a sombra deve se deitar.

Sempre uso a saudação franciscana “Paz e Bem”. Nenhuma outra, em minha modesta opinião, deseja tanto a alguém que queremos bem. Por isso achei por bem incluir esse texto que resume a origem desta saudação.

E que a paz esteja em tua casa!

 

Conheça o livro

Roda de Viola

Armazém do

Angelim

Produção