Início

A Viola

Afinações

Agenda

Biblioteca

Blog do Angelim

Cifras

Discografias

Encordoamento

Fogão à Lenha

Fotos

Links Interessantes

Luthieria

Mestres Poetas

Mestres Professores

O Sagrado e o Profano

Porta Aberta

Rio Abaixo

Tablaturas

Videoteca

Violas, Minhas Violas

Violeiros

Postado por Angelim em 18/05/2008

Gira Mundo

.

Pois’é. Vida gira mesmo. Vento sopra de um lado e muda os giro do cata-vento. Me alembro direitinho quando deixei o Rio Grande e subi de vorta pras minhas Gerais. Me alembro da felicidade do Valente e dos salto de circo que meu fiel cão Banjo dava, só de sabê que a serra seria a nova morada.

 

Mas a vida rodopia feito pião. Quando eu era menino pequeno, eu ficava hipnotizado com o danado do brinquedinho. Era fácil de fazê. Pedacinho de pau bem aparado,com preguinho no meio e cordinha de fita. Aqueles rodopio era mágico. Eu ficava no maior encantamento. E a vida é como pião. Gira todo o tempo.

 

E fique então sabendo que tem giro novo no quintal de terra batida.

 

Agora a felicidade não é menor. Pelo contrário. Posso dizê que coração bate ainda mais acelerado. Já tô com a carroça pronta, carregada com toda minha tranqueira, com a gaiola e as panela pindurada de lado e meu sábio cavalo Valente pronto e escovado. Ele sabe bem as trilha do caminho e o passo que tem que dá.

 

Tô subindo mais um pouco. Tô indo pro centro, lá no cerrado. Lá mesmo, sô. Lugar plano pra daná. Tem gente que fala que de lá se vê tão longe que dá inté medo. Diz que o vento nem curva faz pra podê assobiá. Não tem morro como aqui nas Minas Gerais.

 

Eu sei que a sôdade de casa vai bater outra vez. Afinal a familhagem e as curva da Mantiqueira vão ser carregada de lembrança. Levo comigo dentro do peito o sopro do vento da serra e o verde das mata de cada canto da minha terra.

 

Mas eu confesso que gosto da sôdade. Essa pontada de vazio que enche o peito. Trem doido que ninguém explica. Coisa de alma. Coisa de Deus, nosso Sinhô.

 

Vô pela semeadura de uma vida inteira. Pelo peito arado com sonho e esperança. Pelas crença que fizeram o vento soprá forte e girá o cata-vento do meu destino. Arei, semeei, plantei e agora vô colher.

 

Tem flor no cerrado me esperando. Tem vida nova que começa. Tem raiz forte pra criar.

 

Sua bença meu Pai. Sua bença minha Nossa Sinhora da Conceição Aparecida. Vô em paz. Vô com fé. Vô feliz.

 

Té!

.

 

 

 

 

 

 

 

Deixe seu comentário aqui.

Angelim

Conheça o livro

Roda de Viola

Armazém do

Angelim

Produção